Turísmo en Ypejhu

VISITE YPEJHU CANINDEYU

Ypejhú es uno de los distritos del Departamento Canindeyú, Paraguay, se encuentra situado en la región noroeste del mismo, y aproximadamente a 380 km de la ciudad de Asunción, capital de la República del Paraguay. Tiene una superficie de 1.213 km², de extensión territorial, y una población de 7.109 habitantes, su densidad poblacional es de 5,6 hab./km² .
Tiene una tasa de crecimiento anual de 4,8%. Está unida a Paranhos, ciudad brasileña con la que componen un solo conurbano.
Los pobladores se dedican a la agricultura y ganadera.

Esto es un extracto del artículo Ypejhu (Canindeyú) de la enciclopedia libre Wikipedia. En Wikipedia hay disponible una lista de los autores.

YPE JHU, ESPERANÇA DE DESENVOLVIMENTO PASSA POR UMA RODOVIA «CURUGUATY – YPEJHU»

Por Eric Grubisich Fernandez en febrero 2, 2013

SALTOS DE YPEJHU

O jornal Correio do Cone Sul traz uma nova série de reportagens aos seus leitores: “Nossos Vizinhos”. A nova série irá falar sobre as cidades paraguaias que fazem fronteira com o Brasil e que estão mais próximas de Amambai. Seus desafios, histórias e sua proximidade com o nosso país.

Nossa primeira visita foi a cidade de YpeJhú, departamento de Canindeyú, 400 km a nordeste de Assunção, que faz divisa seca com a cidade de Paranhos, no Brasil.
Uma cidade com pouca estrutura e um povo tímido. Com oito mil habitantes (segundo a prefeitura local) e 93 anos de emancipação, YpeJhú enfim, vive um momento de esperança de desenvolvimento. A esperança se trata da rodovia YpeJhú/Canindeyu. Um trecho de 100 km que ligará o município à capital Assunção por uma rodovia pavimentada. E o beneficio da rodovia não será somente para os habitantes do município, mas para toda região Sul do Mato Grosso do Sul e aos estados ao Sul do Brasil. A rota mais perto até a capital paraguaia será por YpeJhú, com a distância de 380 km.

Anunciada há três anos, as obras da rodovia estão paradas. De acordo com o diário ABC, de Assunção, somente as obras das quatro pontes da rodovia foram concluídas.

A expectativa de ver o município crescer, assim como aconteceu com outras cidades fronteiriças, levaram muitos moradores a investir no local. Há diversos comércios recém-inaugurados e uma valorização dos terrenos que chegam a 50% no valor.

A empresária Nilda Bezerra que recentemente inaugurou uma loja de confecções na cidade conta que retornou da cidade de Canindeyu para abrir seu próprio comércio. “Com a rodovia, YpeJhu vai se tornar um lugar de passagens de paraguaios e brasileiros, será uma grande oportunidade da cidade crescer, e quem sabe se tornar um novo Salto del Guairá (cidade que viveu um boom de crescimento graças ao turismo de compras)”.

O empresário brasileiro Marcos Humberto Rufino, sócio proprietário de um posto de gasolina na cidade, vê com cautela o desenvolvimento local. “É muito cedo para dizer se esse lugar vai realmente crescer, se essa rodovia vai realmente sair do papel, mas as pessoas já estão pedindo valores absurdos em terrenos. Está mais caro do que no Brasil”.

O prefeito da cidade, Neneco Acosta, também analisa a situação com muita cautela. Segundo ele, a conclusão das obras da rodovia dependerá das eleições à presidência, que acontece no mês de abril. “Somente se o Liberal (partido de Neneco) vencer as eleições poderemos comemorar a conclusão da rodovia”, disse.

Neneco garante que sofre com o descaso do Governo Federal por rixa política, já que faz parte de outro partido. “Por não fazermos parte do grupo deles, nunca recebemos nada do Governo Federal”.

Segurança

Há pouco mais de 20 dias na cidade, o comandante da Polícia Nacional, da guarnição local, Jorge Martins Lopes, considera a cidade tranquila. “Desde que eu cheguei, não houve nenhum incidente”.

A guarnição conta com 12 policiais, além de outros quatro enviados pela Força Especial, que atende a região de fronteira.

Limitação Pública

Com um orçamento de R$ 800 mil ao ano (R$ 67 mil/mês) a prefeitura local pouco pode fazer aos seus habitantes. As principais despesas ficam por conta dos salários do prefeito, dos nove vereadores e 12 funcionários.

As obras de pavimentação das ruas da cidade são primitivas, a base de pedra brita. O prefeito exibe com orgulho a patrola, recém adquirida pela prefeitura com recursos próprios. Mas, para garantir as obras usa uma “patrola” particular; e para as viagens, coloca a disposição da população seu ônibus, que fica estacionado no pátio da prefeitura.

Em sua casa, sua última aquisição: uma Ambulância UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), doação do Governo do Estado. A ambulância veio em boa hora, já que a cidade não conta com hospitais. Somente um posto de saúde, com consultas médicas duas vezes na semana. Os doentes são encaminhados à Canindeyu ou Assunção.

Mas a maioria dos moradores quando precisa de atendimento médico procura o Brasil. De acordo com o secretário de saúde de Paranhos, Aldinar Ramos Dias, os atendimentos aos paraguaios são diários e em grande número. “Não sei dizer exatamente, mas são muitos”, garante. Se tiver mais condições, Amambai, a 120 km, é outro destino certo.
YPEJHU GRUPO DE JOVENES